Voltar para o topo

Entenda o fim dos likes no Instagram

Instagram
algoritmo instagram likes redes sociais

Entenda o fim dos likes no Instagram

 Durante a abertura da conferência F8 de 2019 (evento do Facebook), o Instagram revelou uma iniciativa de testes na plataforma, entre eles estaria a possibilidade de ocultar o número de likes de uma postagem. Hoje, dia 17/07/2019 a plataforma começou o "teste" ocultando dados do público em geral. 

Mas o que muda de fato? Durante o dia as primeiras reações dos usuários levaram ao entendimento de que os likes iriam sumir, mas na realidade vão continuar visíveis para o administrador da conta, ocultando apenas o número de likes dos seguidores e visitantes. Porém ainda é possível para maioria dos usuários identificar o @usuário que curtiu. 

Um dos formatos de avaliação de desempenho até então padronizado nas redes sociais é a interação, o like "era" uma das principais ferramentas de avaliação das interações.

De acordo com a empresa em nota oficial este "teste" tem a intenção de "diminuir o clima de competição entre os seguidores". Mas será que é isso mesmo?

Vamos entender um pouco melhor como funcionam as duas principais redes sociais da atualidade, que por sinal são do mesmo grupo.

Facebook

 Das sete redes sociais mais utilizadas no mundo, quatro pertencem ao Facebook, que é  hoje a maior delas. Possui 2,23 bilhões de usuários ativos/ mês, no Brasil são 127 milhões (um dos cinco maiores mercados da empresa). Somente no último trimestre faturou US$16,91 bilhões, esta receita é adquirida basicamente com anúncios e negócios acontecendo no ambiente da plataforma. 

Instagram

O Instagram surgiu como uma aplicativo de compartilhamento de fotos, com uma experiência projetada especialmente para dispositivos móveis, os recursos até podem ser utilizados em Desktop, mas não é a mesma coisa. Inicialmente este ambiente era livre de anúncios, mas a medida que foi ganhando um enorme número de usuários ativos diariamente, empresas e pessoas perceberam neste ambiente um espaço para divulgação de produtos e serviços. Especialmente pequenas empresas que ainda não possuíam sites começavam postando no Insta. Isso tudo chamou a atenção do grandão das redes sociais e em uma aquisição de US$ 1 bilhão em 2012. 

Hoje a empresa já vale 100 vezes mais, conta com mais de 500 milhões de usuários ativos e não para de crescer. 


Segundo estudo realizado pela plataforma Nuvem Shop (e-commerce), entre outubro e dezembro de 2018, 70% das ações convertidas em negócios vieram do Instagram. Muito bem, anúncios eram pagos no Facebook e não existiam (free) no Insta, mas espera aí com todo este potencial de negócios, o aplicativo de fotos e filtros foi corrompido. Passou a contar com ferramentas para impulsionar publicações em 2018. Já em 2019, os anúncios tiveram um upgrade e passaram a usar recursos muito parecidos com o irmão mais velho Facebook, inclusive anúncios segmentados passaram a ser gerenciados pela ferramenta Facebook Business. Desde então, os usuários começaram a perceber que organicamente (sem pagar para anunciar), os seus posts começaram a perder desempenho, inclusive houveram relatos de que não estavam sendo exibidos para todos os seguidores, o que mais tarde foi confirmado pela plataforma que utiliza um algoritmo que seleciona os conteúdos a serem exibidos com base em afinidades, comportamento, padrão de utilização entre outros parâmetros.

Porém, isso é o que eles dizem, mas na verdade muitos usuários vêem o algoritmo como a grande barreira a ser driblada por empresas e pessoas que querem prosperar nas redes sociais. Estudos indicam que os posts são exibidos organicamente para menos de 7% dos seguidores, para aparecer mais é preciso pagar. Porém a quem diga que o Instagram não segue os mesmos critérios do Facebook (ainda) na redução do percentual de alcance orgânico, que apenas joga para o fim do feed posts com menos chances de gerar interesse com base em diversos fatores, inclusive relevância. 


Entenda o que é o algoritmo e como ele funciona

Em 2017, o Facebook lançou um vídeo explicando de como o feed de notícias passaria a funcionar. 

Assista o vídeo abaixo:

Foi ressaltado que objetivo era de conectar pessoas às publicações que mais interessariam a elas, com base no seu histórico, engajamento e interações, mas para que isso fosse possível seria necessário utilizar um algoritmo, que seria resumidamente uma fórmula, com alguns passos, que tem o objetivo de resolver determinado problema. Esses passos são o que define para quem o post será exibido.

Como é possível segmentar públicos por região, idade, sexo, renda, interesses entre outros com publicidade, muitos entenderam que o algoritmo na verdade é a máquina necessária para barrar o alcance orgânico de publicações e que para exibir seu conteúdo para um número maior e mais adequado de seguidores é necessário utilizar recursos pagos. 

E você, o que pensa sobre isso?


Para saber mais sobre como usar as redes sociais no seu negócio entre em contato com a gente. Estamos preparados para ajudar seu negócio a escalar!

Solicitar contato de um especialista

Créditos das Fontes: Rejane Toigo; Tech Mundo, Resultados Digitais, Tech Tudo, Fábio Prado Lima, Olhar Digital e Tech Crunch.

Por Fábio Brand de Nunes


Pesquisa
Siga-nos nas redes sociais
Quer ficar por dentro das novidades? Siga-nos nas rede sociais!

Confira as novidades no nosso Instagram!